Tóquio 2020: Brasil fica em sétimo lugar na disputa olímpica por equipes mistas

Por Confederação Brasileira de Judô | Crédito: COB

O Judô brasileiro ficou em sétimo lugar na inédita disputa por equipes mistas nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Na madrugada deste sábado, o time brasileiro encarou Holanda, nas quartas de final, e Israel, na repescagem, e não conseguiu superar os adversários.  

“A gente tem potencial, poderia chegar no lugar mais alto do pódio. Seria um feito histórico na primeira vez da competição por equipes e estávamos com muita vontade. Mas eu sei que cada um deu tudo de si”, comentou Mayra Aguiar, que venceu por ippon suas duas lutas ainda que fora de sua categoria. “Estava com receio de lutar na categoria de cima, mas quando boto o quimono, o espírito competitivo fala mais alto. Consegui lutar bem, fui até o final. Mesmo dois shidôs atrás, fui pra cima e consegui o ippon. Na segunda o objetivo era ganhar de shidô, mas vi que tava boa a pegada e consegui jogar de ippon.”


Para a prova por equipes, foram inscritos Larissa Pimenta (57kg), Ketleyn Quadros (70kg), Maria Portela (70kg) e Mayra Aguiar (+70kg), no feminino, Daniel Cargnin (73kg), Eduardo Katsuhiro (73kg), Eduardo Yudy (90kg), Rafael Macedo (90kg), Rafael Buzacarini (+90kg) e Rafael Silva (+90kg), entre os homens. Lesionada, Maria Suelen Altheman (+70kg) não teve condições de lutar e foi substituída por Mayra, medalhista de bronze no meio-pesado nas disputas individuais. Além dela, sem representante no 57kg, o Brasil teve que improvisar com a meio-leve Larissa Pimenta, que lutou uma categoria acima da sua. 

Neste tipo de prova, cada equipe é formada por até 6 atletas (o mínimo são 4), três homens (73kg, 90kg e +90kg) e três mulheres (57kg, 70kg e +70kg). Ganha o confronto a equipe que conseguir fazer quatro vitórias primeiro. Se houver empate em 3 a 3, é sorteada uma das 6 categorias e os atletas retornam ao tatame para uma luta extra com ponto de ouro (golden score). 

Quartas-de-final – Brasil 2 x 4 Holanda

No primeiro confronto do dia, o Brasil conseguiu duas vitórias com os medalhistas olímpicos Mayra Aguiar e Daniel Cargnin, no duelo contra a Holanda. Nas outras quatro lutas, porém, Larissa Pimenta (57kg), Maria Portela (70kg), Rafael Macedo (90kg) e Rafael Silva (+90kg) não conseguiram passar por Sanne Verhagen (57kg), Sanne Van Dijke (70kg), Noel Van T End (90kg) e Henk Grol (+90kg), respectivamente.

Com a derrota, o Brasil caiu para a repescagem, onde enfrentará Israel, que perdeu nas quartas para a França.

Repescagem – Brasil 2 x 4 Israel  

Precisando de uma vitória para buscar o bronze, o time brasileiro fez três alterações em relação ao primeiro confronto e veio para a disputa contra Israel com Eduardo Katsuhiro (73kg), Eduardo Yudy Santos (90kg) e Rafael Buzacarini (+90kg). Nos pesos femininos, o Brasil repetiu Pimenta, Portela e Mayra. As únicas duas vitórias da equipe brasileira vieram com Maria Portela, que imobilizou Gili Sharir, e Mayra Aguiar, que projetou a pesado Raz Hershko por ippon. Larissa Pimenta ainda forçou duas punições contra Timna Nelson-Levy, mas não suportou a diferença de força física lutando com uma judoca da categoria acima da sua e cedeu ao ippon no final do combate. Katsuhiro caiu nas punições frente a Tohar Butbul; Buzacarini bateu na chave de braço aplicada por Peter Paltchick e Yudy caiu de ippon para Li Kochman. 

O Brasil tem uma prata e dois bronzes nos Mundiais por Equipes mistas e buscava sua primeira medalha olímpica neste tipo de competição.