Marcia Costa: uma perda que nos ensina o valor dos recomeços

Por Girliani Martins | Créditos: Elaine Ferreira e Fábio Bueno

Quando perdemos um amigo, perdemos também um pouco do que somos. Hoje, 04 de dezembro de 2020, é um dia extremamente triste para nós, da Revista Master e da Bueno Editora: perdemos a nossa querida Marcia Costa, um dos seres humanos mais educados, gentis e otimistas que a nossa equipe teve a honra de conhecer.

Marcia chegou ao nosso escritório há quase dois anos. Ela e a editora Elaine Bueno já eram amigas de longa data, estudaram na mesma escola e vivenciaram muitos momentos juntas, de descoberta e amadurecimento.

Em 2019, houve o reencontro. Desta vez, assim como nos tempos de escola, a convivência seria diária, mas agora na Bueno Editora.

Em tudo o que fazia, seja no contato com os clientes ou em qualquer atividade administrativa, a Marcia sempre entregava um trabalho primoroso. Sua mesa era impecável, com cada objeto em seu devido lugar. Uma pequena foto que deixou no espaço sintetizava seu novo momento de vida: a esperança no amor e no recomeço.

Deu seu toque especial ao nosso escritório, seja através daquele paninho que ficava em nosso lavabo ou quando trazia frutas ou bolo para a equipe. Até o Ricardo, nosso colaborador mais jovem, lembrará de seus comentários toda vez que fizer um café. 

Com mais de 50 anos, a Marcia não teve medo de recomeçar, de retornar a sua cidade natal (Santos) para encontrar suas raízes e até mesmo se reencontrar. Há pouco tempo iniciou uma nova graduação, de Psicologia, e só de ouvirmos sua empolgação com o curso, sabíamos que tinha feito uma boa escolha. Amava as aulas, os colegas e o que isso simbolizava em sua (nova) vida.

Falava dos pais com tanto amor e saudosismo (hoje, eles lhe receberão no portal do céu), dos irmãos e dos sobrinhos com doçura. Já quando o assunto era o Nelson, parecia que vivia em estado de poesia, sempre com um sorriso no rosto, que tornou-se sua marca registrada.

Adorava música clássica, seu piano, suas memórias e as pessoas que conquistou ao longo da linda trajetória.

Jamais será esquecida. Nos últimos dias, enquanto você seguia nessa batalha com um adversário tão cruel, nós estávamos na correria para concluir a produção de uma revista, e então, nosso diretor Fábio Bueno proferiu:

– Que falta a Marcia faz!

Ah, Marcia, quantas lições você nos deixou: a reclamar menos da vida, a não ter medo de recomeços, de voltar a acreditar em nossos sonhos e nas pessoas, e até mesmo a gostar de Banoffe após as tardes de almoço na casa da família Bueno.

Obrigada por tudo!

Nós vamos continuar te amando!