Beatriz Ferreira brilha e é campeã dos Jogos Mundiais Militares de Moscou

Por Agência Brasil | Crédito: AIBA/Divulgação

Na primeira competição após a medalha de prata nas Olimpíadas de Tóquio, a pugilista Beatriz Ferreira voltou a subir no pódio de um evento internacional da modalidade. Desta vez, no topo. Recentemente, a brasileira ficou com o título da categoria até 60 quilos do Campeonato Mundial Militar de Boxe, disputado em Moscou, na Rússia.

Na final, a baiana, de 28 anos, terceiro-sargento da Marinha do Brasil e beneficiada com a Bolsa Atleta do Governo Federal na categoria Pódio, a mais alta do programa, derrotou a venezuelana Krisandi Rios Ojeda por decisão unânime dos juízes. No terceiro e último round, após uma boa sequência de golpes de Bia, a árbitra chegou a abrir contagem para a adversária, o que poderia decretar a vitória por nocaute. A rival se recuperou, mas não o suficiente para tirar o título da brasileira.

A pugilista de Salvador disputa competições internacionais de Boxe desde 2017. De lá para cá, só não esteve no pódio no Campeonato Mundial de 2018, quando foi eliminada nas oitavas de final. No ano seguinte, porém, sagrou-se campeã mundial e medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019.

A pugilista Beatriz Ferreira.

Bia venceu quatro lutas em Moscou. Na estreia, superou a cazaque Aizhan Khojabekova. Nas quartas de final, no duelo contra a russa Nune Asatrian, a rival foi declarada vencedora pelos árbitros, mesmo sendo dominada na maior parte do combate. A comissão brasileira entrou com um recurso e teve êxito: o resultado se inverteu e a baiana avançou. Na semifinal, Bia reencontrou a uzbeque Raykhona Kodirova, a quem já havia derrotado em Tóquio, e voltou a superar a adversária.

Outros dois brasileiros disputaram finais neste sábado e ficaram com a prata. Na categoria até 49 quilos, Leanderson Conceição foi derrotado pelo cazaque Temirtas Zhussupov, enquanto Bárbara Santos não superou a russa Saadat Dalgatova na categoria até 69 quilos. Os dois resultados foram decretados por decisão unânime dos árbitros.

O Brasil encerrou o Mundial Militar de Boxe com cinco medalhas: uma de ouro, duas de prata e duas de bronzes, estas últimos conquistados por Wanderson “Sugar” Oliveira (até 64 quilos) e Jucielen Romeu (até 57 quilos). Dos sete pugilistas do país que competiram em Tóquio, apenas Keno Marley e Hebert Conceição (ouro no Japão) não foram a Moscou.