Fabiano Kuhn Pereira

A arte marcial sempre o atraiu, entretanto, foi quando serviu à Polícia do Exército que a paixão por essa área despertou de vez sua atenção. Iniciou em 2010, por meio do Morganti Ju-Jitsu, que lhe possibilitou conhecer melhor os preceitos do Bushido.
Ainda nesse ano, disputou o Campeonato Mundial de Morganti Ju-Jitsu no Círculo Militar, em São Paulo, ocasião em que faturou o primeiro título de campeão. Posteriormente, tornou-se campeão estadual e regional em competições individuais e por equipes.
Sua principal referência no mundo das artes marciais é o shihan Gláucio Ambrósio, além do mestre e fundador, o shidoshi Ricardo Morganti, e os demais “irmãos de faixa”. Cada título que conquistou gerou aprendizado e experiências. Além disso, os alunos e demais pessoas que encontrou ao longo do caminho foram essenciais para o seu amadurecimento.
Fabiano sonha em viabilizar o Instituto Social Clarice M. M. Kuhn, um trabalho de inclusão social em homenagem a sua mãe, que partiu em setembro de 2020. “Quero capacitar e qualificar os mais necessitados para que tenham condições, recursos e o direito de viverem com dignidade na sociedade”, explica.
Em geral, sente-se realizado como artista marcial, professor, instrutor de defesa pessoal, atleta e árbitro.