Beatriz Souza e David Moura terminam em 7º lugar, melhor resultado do Judô brasileiro no World Masters de Doha

Por Confederação Brasileira de Taekwondo | Crédito: CBTKD

A seleção brasileira de Judô retornou ao tatame do World Masters de Doha, no Catar, buscando uma reação frente aos dois primeiros dias sem pódio e os judocas que chegaram mais perto da medalha foram os pesos pesados David Moura e Beatriz Souza. Ambos caíram na fase de repescagem e não conseguiram avançar até a disputa de bronze, terminando em 7º lugar.   

“Reconhecemos que os resultados e o desempenho nessa competição foram aquém do que esses atletas podem entregar. É um momento de reflexão para todos nós, de identificar as dificuldades e atacá-las. Teremos uma sequência de competições muito duras esse ano e 190 dias de muito trabalho até Tóquio. Já vivemos situações piores. Não será fácil, mas tenho confiança de que conseguiremos mudar esse jogo”, avaliou Ney Wilson Pereira, gestor de Alto Rendimento da CBJ. 

David estreou com vitória sobre o campeão do Grand Slam de Paris 2019, Sungmin Kim, da Coreia do Sul, e manteve o desempenho na segunda rodada, superando o holandês Jur Spijkers com uma chave de braço. Nas quartas-de-final, ele sofreu um waza-ari no duelo com o ucraniano Iakiv Khammo e não conseguiu virar o placar, caindo para a repescagem. Em sua última luta em Doha, o brasileiro encarou o russo Temerlan Bashaev, que finalizou o combate com ippon e foi para a disputa pelo bronze.  

Já Beatriz precisou de uma vitória sobre a sérvia Milica Zabic, por ippon, para chegar às quartas-de-final de sua categoria. Bia conseguiu forçar duas punições à turca Kayra Sayit e parecia ter o controle da luta quando foi surpreendida por um golpe que garantiu o ippon à adversária. Na repescagem, a brasileira foi projetada por Nihel Cheikh Rouhou, da Tunísia, e deixou escapar a chance de buscar o bronze.  

Outros cinco brasileiros também lutaram na quarta, mas não andaram nas chaves. Entre os pesados, Rafael Silva Baby foi superado nas punições diante de Iurii Krakovetski, do Quirguistão, enquanto Maria Suelen Altheman foi desclassificada por hansoku make por executar uma técnica proibida no braço da adversária, a camaronesa Hortence Antangana.  

Os meio-pesados Rafael Buzacarini e Leonardo Gonçalves perderam para Elmar Gasimov, do Azerbaijão, e para Shady ELnahas, do Canadá, respectivamente. O médio Rafael Macedo não passou por Gantulga Altanbagana na primeira rodada e também despediu-se precocemente da competição.  

O World Masters é a competição que reúne apenas os 36 melhores do mundo em cada categoria e, por isso, é considerada uma das mais fortes do circuito. Distribui até 1.800 pontos (campeão) no ranking qualificatório para os Jogos Olímpicos de Tóquio. A corrida olímpica do judô terminará em junho e, até lá, ainda haverá cinco etapas de Grand Slam, um continental e um Campeonato Mundial, que fechará a classificação para os Jogos.  

Ao retornar ao Brasil, a seleção se reapresentará em Pindamonhangaba, São Paulo, para um período de 10 dias de treinos a partir do dia 25 de janeiro. O próximo compromisso é o Grand Slam de Tel Aviv, em Israel, nos dias 18, 19 e 20 de fevereiro. 

CALENDÁRIO IJF 2021: 

11-13 Janeiro: World Masters – Doha/Catar – 1.800 pts

18-20 Fevereiro: Grand Slam – Tel Aviv/Israel – 1.000 pts

27-28 Fevereiro: Aberto Europeu – Praga/Rep. Tcheca – 100 pts

06-07 Março: Aberto Pan-Americano – Santiago/Chile – 100 pts

05-07 Março: Grand Slam – Tashkent/Usbequistão – 1.000 pts

13-14 Março: Aberto Pan-Americano – Lima/Peru – 100 pts

20-21 Março: Aberto Pan-Americano – TBC/Argentina – 100 pts

26-28 Março: Grand Slam – Tbilisi/Geórgia – 1.000 pts

01-03 Abril: Grand Slam – Antalya/Turquia – 1.000 pts

16-18 Abril: Campeonato Pan-Americano – Cordoba/Argentina – 700 pts 

08-09 Maio: Grand Slam – Paris/França – 1.000 pts

06-13 Junho: Campeonato Mundial Individual e Equipes Mistas – Budapeste/Hungria – 2.000 pts

24-31 Julho: JOGOS OLÍMPICOS – TÓQUIO 2020