Atividade Física: um bem para o corpo e para a mente

Por Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde | Crédito: Divulgação

Quem deseja ter saúde e qualidade de vida sabe muito bem que precisa praticar atividade física. A Organização Mundial de Saúde (OMS) define atividade física como sendo qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que requeiram gasto de energia – incluindo atividades físicas praticadas durante o trabalho, jogos, execução de tarefas domésticas, viagens e em atividades de lazer.

O termo “atividade física” não deve ser confundido com “exercício”, que é uma subcategoria da atividade física e é planejada, estruturada, repetitiva e tem como objetivo melhorar ou manter um ou mais componentes do condicionamento físico. A atividade física moderada e intensa traz benefícios para a saúde, um exemplo disso é a prática de artes marciais, que fortalecem o físico e a mente.

Em todo o mundo, um em cada cinco adultos e quatro em cada cinco adolescentes (com idade entre 11 e 17 anos) não praticam atividade física suficiente. Alguns grupos populacionais têm menos oportunidades de terem uma vida mais ativa, entre eles: meninas, mulheres, pessoas idosas, com menos recursos financeiros, com deficiências e doenças crônicas, populações marginalizadas e povos indígenas.  

A atividade física regular é fundamental para prevenir e tratar doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), como as cardíacas, acidentes vasculares cerebrais, diabetes e câncer de mama e de colo do útero. Essas enfermidades são responsáveis por 71% de todas as mortes no mundo, incluindo as mortes de 15 milhões de pessoas por ano com idade entre 30 e 70 anos.  

Com o objetivo primordial de incentivar as pessoas a serem mais ativas para um mundo mais saudável, em 2018, a OMS lançou um plano de ação mundial sobre atividade física e saúde para o período 2018 a 2030 (Disponível em http://www.who.int/lets-be-active).

Alguns benefícios da atividade física

– Melhora o condicionamento muscular e cardiorrespiratório;

– Aumenta a saúde óssea e funcional;

– Reduz o risco de hipertensão, doença cardíaca coronária, AVC, diabetes, câncer de cólon e de mama e depressão;

– Reduz o risco de quedas, bem como de fraturas de quadril ou vertebrais; e

– É fundamental para o balanço energético e controle de peso.

Fontes

Aliança para o Controle do Tabagismo

Ministério da Saúde

Organização Panamericanan da Saúde