Woo Jae Lee completa mais um ano de vida hoje

Por Girliani Martins | Crédito: Arquivo Pessoal

Hoje, 08 de abril, o Taekwondo Brasileiro está em festa. É o aniversário do grão-mestre Woo Jae Lee, introdutor desta modalidade no estado do Rio de Janeiro.

Engajado e muito respeitado no meio marcial, mestre Lee tem uma trajetória de muita luta e persistência.

Nasceu em Joen-Ra-Nam-Do, na Coreia do Sul, em 1941. Seus primeiros passos no TKD foram dados em 1956. Mas antes, já era faixa preta de Judô e praticante de Kendo e Hapkido.

Woo Jae Lee é um dos mestres mais importantes do Brasil.

Aos 18 anos, defendeu-se dos ataques de 30 homens, na cidade de Kwangju, na Coreia. Em uma dura época, passou fome durante três meses e era obrigado a fazer somente uma refeição por dia.

Formou-se em Administração de Polícia na Faculdade de Dong-Guk em Seul, serviu no Exército por três anos e foi monge pelo mesmo período (Dong-Hwa-Sa, Kwang-Ju).

Trabalho no Brasil

Na década de 70, veio para o Brasil. Começou a divulgar o Taekwondo em dezembro de 1971. Desembarcou com mais sete mestres coreanos, que ficaram em São Paulo com ajuda financeira da Associação Coreana de São Paulo.

Depois, decidiu seguir seu próprio caminho. Assim, foi sozinho e sem dinheiro para o Rio de Janeiro, com o objetivo de divulgar a modalidade coreana.

Sem a família por perto e sem saber uma palavra sequer em português, encontrou muitos empecilhos. Passou por muita discriminação e rejeições, e foi obrigado a aceitar desafios de lutadores de outras modalidades, como Karate, Capoeira e Jiu Jitsu.

Aos poucos, conseguiu mostrar toda a força do Taekwondo ao povo carioca. Mestre Lee ministrou aulas no Exército, na Aeronáutica e na Polícia Militar. Quando montou a própria academia em Botafogo, no Rio de Janeiro, pôde trazer a família da Coreia.

Em 1973, registrou o Taekwondo no Ministério da Educação e Cultura do Governo Brasileiro. Outro importante marco foi quando trouxe mais de 42 mestres coreanos ao Brasil, distribuindo-os em cada Estado. Uma vez oficializado como esporte brasileiro, o Taekwondo começou a receber verbas do governo.

A partir de 1972, assumiu o comando da Confederação Brasileira de Taekwondo, ficando no cargo por 12 anos. Entre 1976 e 1982, foi editor da revista “Dô”, a revista de artes marciais do Brasil. Ao escrever o primeiro livro de Taekwondo em português (“Aprenda Taekwondo”), em 1978, conseguiu marcar seu nome no hall do esporte no Brasil. A obra tinha 420 páginas e foi sucesso de vendas, precisou até ser reeditada em 1980.

Dois anos depois, afastou-se do meio marcial, deixando o colega mais novo, Yong-Min Kim, no comando. Enquanto estava afastado, mestre Lee aproveitou para se dedicar a atividades pessoais e passou a viver no Espírito Santo. Os pedidos para que voltasse à modalidade e lançasse uma nova coleção eram muitos. Até que em 2016, ouviu o apelo popular e cumpriu a missão de escrever algo completa dessa arte.

A coleção “Pratique Taekwondo – Volumes 1 e 2” e “Viva Taekwondo”, lançados pela Bueno Editora, apresentam técnicas atualizadas, regras e sistemas, contemplando todas as categorias.

Seu último livro, “Hoshin-Sull”, voltado exclusivamente para a defesa pessoal, destaca 500 técnicas de Taekwondo e de outras 14 lutas, incluindo Judô, Karate, Hapkido, Kung Fu, Aikido, Kickboxing, Capoeira, Muay Thai, Jeet Kune Do, entre outras artes marciais.

Em mais de 47 anos no Brasil, mestre Lee realizou apresentações em inúmeros lugares, formou centenas de faixas pretas e produziu publicações de sucesso.

Parabéns!

Fechar Menu