Quarentena: Como resolver a insônia de forma natural, simples e eficiente

Por Máxima Assessoria de Imprensa | Crédito: Divulgação

Durante a pandemia é ainda mais recorrente o problema com insônia e isso pode atrapalhar muito o rendimento, além de comprometer a imunidade. As medicinas tradicionais como a Chinesa e a Ayurveda explicam que manter um sono de qualidade é pressuposto para manter a saúde integral.

Excessos de atividades, especialmente aquelas mais agitadas, excesso de pensamentos, mente ansiosa e agitada, excesso de barulho e luminosidade podem ser possíveis causas do comprometimento do sono.

“Pessoas têm necessidade de quantidade de sono diferentes, mas as horas dormidas precisam trazer no dia seguinte a sensação de revigoramento. Sentir-se cansado e com períodos de sono durante o dia pode ser um sinal de que há um comprometimento da qualidade do sono. O excesso de preocupação com qualquer área da vida ou o medo exagerado por qualquer motivo pode ser um sinal de que o corpo precisa de ajuda para equilibrar essas emoções que podem levar à insônia”, alerta Daniel Alan Costa, naturopata, diretor da Escola Brasileira de Naturopatia e professor de Fitoterapia do curso de pós-graduação da USP.

Professor Daniel Alan Costa.

Segundo o especialista, dentro da Naturopatia existem várias terapias integrativas que ajudam a controlar esses sintomas e promovem um sono reparador. “Muitas podem ser feitas em casa e ajudar a família toda nesse momento de incerteza”, afirma.

Cromoterapia

Cor azul: a cor atua como um grande calmante podendo ser utilizada em casos agudos como dor, inflamações e alergias inclusive as de pele. Atua nos casos de stress, estafa, convalescença, pressão alta, obesidade, taquicardia, palpitação, nervosismo, insônia, ira, irritabilidade, temperamento agressivo, ciúme, medo, insegurança, ansiedade e agitação. “Importante ressaltar a necessidade de um ambiente completamente escuro, o breu total seria o ideal, uma vez que o principal hormônio do sono, a melatonina, precisa deste ambiente escuro para ser produzida em quantidades suficientes para garantir um sono de boa qualidade. Outras cores podem ser indicadas dependendo da causa da insônia e nesse caso o ideal é procurar um especialista”, alerta.

Aromaterapia

Na aromaterapia, temos algumas revisões sistemáticas que citam várias essencias para o tratamento desta condição. Entre eles é unânime o de Lavanda (Lavandula angustifólia) que tem ação calmante e já tem uso comprovado para dor de cabeça, agitação, TPM, cólicas menstruais, ansiedade e depressão que também são causas da insônia.

Para aqueles indivíduos mais irritados, ou que vivem em ambientes estressores, os óleos de mandarina, bergamota e laranja doce tem indicações comprovadas em pesquisas científicas. Outros óleos com forte ação calmante que auxiliam no tratamento da insônia: Camomila romana, valeriana, manjerona, ylang-ylang e manjericão. Temos o óleo de Patchouli (Pogostemon cablin), cedro, menta arvensis, eucalipto que além de auxiliar na falta de concentração, alivia a ansiedade em condições relacionadas ao estresse. Se a causa da insônia for os distúrbios da menopausa, o óleo de Gerânio e Sálvia Esclaréia são excelentes para amenizar o desconforto deste período, contribuindo para melhorar a qualidade do sono.

“As propriedades harmonizadoras dos óleos essenciais vão oferecer um equilíbrio físico, mental e emocional duradouros, mas é importante lembrar que os óleos essenciais não podem ser usados diretamente na pele. Neste caso, a sugestão é o de inalar o aroma profundamente diretamente do vidro ou utilizar os colares aromatizadores individuais. Também podem ser usados em difusores para a casa estendendo o efeito para todos os integrantes da família, incluindo animais”, alerta o especialista.

Fitoterapia

Com propriedades calmantes, para ajudar a diminuir a ansiedade e a dormir bem, alguns chás são recomendados: Erva-cidreira, Erva-doce, Macela, Passiflora, Camomila, Mulungu e Valeriana.

O Mulungu (Erythrina velutina), também conhecido como canivete, bico-de-papagaio e corticeira, é uma planta medicinal muito eficaz no tratamento de problemas psicológicos relacionados ao estresse. Tratamento de estados emocionais como histeria, neurose, ansiedade, agitação, depressão, ataque de pânico, epilepsia e compulsão devido às suas propriedades antidepressivas, hipnótica, sedativa e tranquilizante. “O Mulungu também possui propriedades analgésicas, narcóticas, antiespasmódicas e tônicas. Devido à sua capacidade calmante e tranquilizante, é muito utilizado para tratar os distúrbios do sono, como a insônia, por exemplo”, explica o naturopata. 

Na Alemanha, na Grã-Bretanha e em outros países europeus, a Valeriana é aprovada oficialmente por autoridades médicas como uma planta que auxilia o sono. Há séculos é utilizada para ajudar a dormir. Pode atuar também como agente calmante nas situações estressantes ocorridas durante o dia. “Ela é utilizada para o tratamento de distúrbios da ansiedade e de outras doenças que pioram com o estresse, como a diverticulose e a síndrome do cólon irritável”, afirma Costa.

Já a Passiflora é mais conhecida por seu fruto, o maracujá. O Brasil possui um grande número de espécies de Passiflora, mas apesar de abrigar quase um terço das espécies, somente duas delas são exploradas comercialmente. São elas: P. edulis (maracujá roxo) e sua forma amarela P.edulis Sims f. flavicarpa Deg. (maracujá amarelo) e o P. alata (maracujá doce). “A Passiflora estimula a liberação de hormônios que levam ao relaxamento e sensação de bem-estar. Por isso, a planta é benéfica em casos de insônia e também ajuda a evitar a depressão devido à sensação de bem-estar que ela proporciona. Seus componentes químicos primários, calcalóides e flavonoides agem de forma relaxante e antidepressiva no organismo”, ensina o professor.

Cristaloterapia

A terapia com os cristais consiste em equilibrar os corpos energéticos sutis e, em consequência disto, o corpo físico também entra em equilíbrio, pois um influencia o outro. “Existem diversas formas de se trabalhar terapeuticamente com os cristais. A mais comum é através da disposição de cristais sobre o corpo, que pode ser sobre a área a ser tratada ou sobre chakras, importantes centros de energia que regulam em níveis mais sutis a nossa saúde. Podemos ainda ter o uso de elixir de cristais, que é a preparação de água potencializada com a energia dos cristais”, explica o naturopata.

Ametista: pedra básica do sétimo chakra é a pedra da meditação e transmutação, do autodomínio e do relaxamento. Proporciona estabilidade e clareza de pensamento. Atua como calmante e integra os sistemas do corpo.

Pirita: ajuda no tratamento de depressão, liberta de medos e frustrações, reduz a ansiedade.

Além destas, podemos citar cristais como o lápis-lazuli, azurita, quartzo azul e verde, sodalita, água-marinha entres tantos outros.

Florais de Bach

Os Florais de Bach são bem aceitos atualmente e promovem alívio através de fórmulas naturais. Trazem melhoras em tratamentos no âmbito emocional, ajudando quem passa por problemas como a ansiedade. “Consultar um terapeuta é importante para ter uma fórmula personalizada que atenda da melhor forma a situação atual do paciente, mas no geral alguns florais podem ter uma boa atuação”, afirma Costa.

A combinação de florais chamada Rescue tem a função de agir rápido para alívio emocional e pode ser usado em situações nas quais a pessoa precisa reestabelecer o equilíbrio emergencialmente. O Impatiens é indicado para aqueles que tendem a querer que tudo se resolva na hora, imediatismo que traz ainda mais ansiedade no dia a dia. O Red Chestnut ajuda a diminuir a preocupação em excesso, aquela que é exacerbada e sem motivos reais. Já o Mimulus pode ser usado para complementar e colaborar para diminuir o medo de tudo.

Meditação

A meditação promove a melhoria do autocontrole, como uma forma de equilíbrio da mente. Manter o foco no momento presente faz com que a pessoa de fato vivencie e experimente de forma profunda os eventos do dia a dia e isto faz total diferença. “O desequilíbrio nesta área pode gerar dois tipos de problemas: viver projetando ações, o que gera quadros intensos de ansiedade e leva ao sofrimento, ou mergulhar no passado, o que gera angústias, tristeza, culpa, dor”, alerta.

Segundo o especialista, muitos estudos científicos já comprovaram os diversos benefícios da prática. “É possível alcançar o equilíbrio emocional, reduzir a ansiedade generalizada, aumentar a imunidade, melhorar o sono, as dores crônicas, diminuir a frequência cardíaca e controlar a pressão arterial. É importante lembrar que meditar é como correr. Ninguém começa fazendo 30 minutos e da melhor maneira. É preciso praticar aos poucos. Minha sugestão é a de começar com um minuto de meditação e gradativamente aumentar o tempo”, ensina.

*Prof. Daniel Alan Costa é especialista em Bases de Medicina Integrativa pelo Albert Einstein, professor de fitoterapia na USP, Naturopata, acupunturista membro da WFCMS (World Federation Chinese Medicine Societies), coordenador do curso de pós-graduação em Naturopatia da UNIP e diretor da Escola Brasileira de Naturopatia.