Por Confederação Brasileira de Judô | Crédito: CBJ

 

O resultado já era o esperado. Os internautas escolheram o Japão como resposta para a enquete “Qual país você gostaria de ver treinando no Brasil para ser estudada pelos nossos judocas?” no portal da Confederação Brasileira de Judô.

A opção recebeu 65% dos votos. Contudo, essa já é uma realidade do Judô nacional. Só no ano passado, os japoneses estiveram no Brasil duas vezes para treinar: uma em fevereiro para o Treinamento de Campo Internacional em Saquarema e oura em julho, no Rio de Janeiro, especialmente para treinar ne-waza. 

“Fora isso, há muitos anos as seleções masculina e feminina vão todos os anos ao Japão para treinar na Kodokan e nas principais instituições do país como as Universidades de Tsukuba e na Academia da Polícia Metropolitana. Esse intercâmbio já é intenso e permanecerá no próximo ciclo olímpico”, disse o gestor de alto rendimento da CBJ, Ney Wilson.

Além da equipe principal, em 2013 e 2015, as Equipes de Base também passaram por períodos de treinamentos no Japão.

França e Coreia do Sul ficaram na segunda colocação com 11% dos votos. A escola francesa, a exemplo do que acontece com o Japão, também já é estudada constantemente pelos brasileiros. Todos os anos o Brasil treina no país, tanto depois do Grand Slam de Paris quanto em outros períodos em um dos clubes mais fortes do país, o Saint-Genevieve. Neste ciclo olímpico, os franceses estiveram no Brasil em uma atividade no Projeto Futuro em 2013, e nos treinamentos de Saquarema em 2014 e 2015. Já a Coreia do Sul, que surpreendeu no último Mundial com dois ouros e três bronzes, deverá participar de um evento no Brasil ainda este ano.

“Já os convidamos para um Desafio Internacional e estamos aguardando a resposta. Seria muito bom tê-los aqui mas não é algo fundamento porque participamos do Grand Prix de Jeju e do treinamento de campo depois do GP, além de outras competições internacionais em que os atletas coreanos se fizeram presentes”, explicou o gestor.

Fechando o resultado, a Rússia ficou com 10% dos votos e a Alemanha com 3%. Ambas estiveram no Brasil para treinamentos nos últimos anos, inclusive em 2015. Os alemães estiveram com uma equipe top em Saquarema em março do ano passado e os russos estiveram em janeiro deste ano em Pindamonhangaba com seus principais nomes no masculino e no feminino. Além deles, só neste ciclo olímpico, atletas tops de Argentina, Áustria, Azerbaijão, Colômbia, Cuba, Equador, Eslovênia, Estados Unidos, Finlândia, Holanda, Hungria, Irlanda, Israel, Itália, Portugal, República Dominicana e Venezuela.

 

Fechar Menu