Federação Internacional de Judô sinaliza retorno do Circuito Mundial em 2020 com três eventos de classificação olímpica

Por Confederação Brasileira de Judô | Crédito da foto: Gabriela Sabau/IJF

A Confederação Brasileira de Judô recebeu na última quinta-feira, 27, comunicado da Federação Internacional de Judô atualizando as últimas decisões do seu Comitê Executivo em relação ao calendário de competições em 2020. Na carta, o presidente da FIJ, Marius Vizer, sinaliza a intenção da entidade de retomar o Circuito Mundial IJF em outubro deste ano, com a realização de um Grand Slam em Budapeste, onde fica também a sede da FIJ.  

Além dessa etapa, o documento indica ainda a possibilidade de realização do Grand Slam de Tóquio, em dezembro, e o World Masters do Qatar, em janeiro de 2021. Todos os eventos valeriam pontos no ranking de classificação olímpica.  

Mayra Aguiar comemora vitória no Mundial de Tóquio 2019.

“Após muitos meses de incertezas e um longo período de redução da atividade do Judô na maioria dos países, o Comitê Executivo da IJF decidiu reiniciar Circuito Mundial de Judô no final de outubro de 2020.

Nossa intenção é organizar as seguintes competições: Grand Slam de Budapeste no final de outubro, Grand Slam de Tóquio na primeira quinzena de dezembro, World Masters Qatar em janeiro de 2021. É muito importante mencionar que todas as autorizações e datas podem ser publicadas posteriormente às discussões com os governos locais. Além disso, deve-se observar que os eventos estão sujeitos à evolução da situação de saúde em cada um dos países mencionados e, caso as condições locais se agravem, a IJF terá o direito de adiar ou cancelar o referido evento a qualquer momento antes de seu início”, explica Marius Vizer na carta enviada às Federações Nacionais de Judô.  

Em 2020, aconteceram apenas oito etapas do circuito, de janeiro à março, momento em que a pandemia de COVID-19 se agravou e todas as competições foram suspensas, bem como a classificação olímpica para Tóquio 2020.  

No último dia 17, a FIJ publicou seu protocolo de medidas para a realização de uma competição oficial IJF no contexto da pandemia, já se preparando para um possível retorno ainda em 2020.  

Vizer ressaltou que o Comitê Olímpico Internacional aprovou o retorno das competições de judô com base nesse protocolo. O mandatário pontuou, contudo, que “a FIJ se reserva o direito de mudar o status classificatório de cada evento dependendo do número de participantes.” 

Atletas brasileiros ficarão mais um mês em Portugal 

Se a proposta da FIJ se concretizar, os judocas brasileiros estarão preparados para o retorno às competições em outubro, graças aos meses de treinamento em Portugal, na Missão Europa realizada pelo Comitê Olímpico do Brasil em parceria com a CBJ.  

“Nós trabalhamos junto com o COB e antecipamos a jogada. A Missão Europa se tornou o nosso grande trunfo. Conseguimos colocar nosso time em pé de igualdade às seleções europeias que já estavam na nossa frente em termos de treinamento e, acredito, que com mais um mês de trabalho os nossos atletas estarão nas condições ideais para retornar bem à competitividade do Circuito IJF”, avaliou o gestor de Alto Rendimento da CBJ, Ney Wilson Pereira. 

Depois de ficarem quase quatro meses impossibilitados de treinar em alto rendimento no Brasil, onde a pandemia ainda não foi controlada, os atletas da seleção brasileira de Judô desembarcaram em Lisboa no dia 17 julho e, desde então, treinam em condições apropriadas em Coimbra, seguindo os protocolos sanitários estabelecidos pelo COB e pelas autoridades locais.  

Diante de um cenário ainda incerto em relação às condições de treinos de judô no Brasil e com a nova sinalização da FIJ para o retorno das competições em outubro, a CBJ decidiu manter os atletas em Coimbra por, pelo menos, mais um mês. A data de retorno ao Brasil prevista para 29 de agosto foi, com isso, adiada para 27 de setembro.