Daniele Zangrando, campeã pan-americana de Judô, é a segunda homenageada da série Mulheres de Luta

Por Girliani Martins | Crédito: Arquivo Pessoal

Neste mês de março, a Revista Master produziu uma série com quatro mulheres que representam a força feminina nas artes marciais.

A primeira homenageada foi a kodansha de Karate, Disney Pereira. Nesta semana, o destaque é Daniele Zangrando, que fez história na seleção feminina de Judô.

Conheça a sua caminhada

Daniele Zangrando

Embora tenha nascido em São Paulo (Capital), Daniele Zangrando cresceu em Santos, no Litoral Sul de São Paulo, cidade onde aplicou os primeiros ippons de sua vida.

Aos cinco anos, já estava nos tatames, influenciada pelo irmão, que foi aluno do sensei Paulo Duarte.

Logo que a viu, o educador identificou que seria uma atleta diferenciada. A prova disso é que a levou para treinar na academia de seu sensei, Associação de Judô P.D.

Aos 13 anos, Daniele disputava campeonatos com adultos. Três anos depois, ganhou a primeira medalha pan-americana (bronze), em Mar del Plata, na Argentina. Nesse mesmo ano, tornou-se a primeira brasileira a conquistar um lugar no pódio do Mundial Adulto.

Em 1996, estreou nas Olimpíadas de Atlanta. Posteriormente, em 1999, faturou mais uma láurea no Pan de Winnipeg e ainda foi vice-campeã mundial júnior.

Entretanto, a trajetória não foi marcada apenas por momentos de glória, Daniele enfrentou vários problemas: teve hérnia de disco e passou por uma cirurgia corretiva que a fez cogitar “pendurar o judogi”.

Mas, inspirada pelo retorno triunfal de Ronaldo Fenômeno, em 2002, desistiu da ideia, e continuou nos tatames. Disputou os Jogos Olímpicos de Atenas (2004) e foi medalha de ouro no Pan do Rio de Janeiro (2007).

Em 2010, com uma trajetória repleta de muitas lutas e vitórias, decidiu se aposentar.

Daniele Zangrando é formada em Direito e Jornalismo. Além de atleta, atuou como repórter. Hoje, é comentarista de Judô. Nessa função, trabalhou na Rede Globo e ESPN Brasil.

Fechar Menu